Hematose: como funciona a difusão pulmonar?

Hematose: como funciona a difusão pulmonar?

February 27, 2020

A hematose é a troca gasosa que ocorre nos tecidos dos alvéolos pulmonares. Também é chamada de respiração pulmonar, pois acontece dentro dos pulmões. Não devemos confundi-la com a respiração celular, que ocorre dentro dos demais órgãos, como fígado, pâncreas e coração.

 

[Veja a diferença entre ventilação pulmonar e respiração celular]

 

Na hematose, os alvéolos pulmonares eliminam gás carbônico e absorvem oxigênio. Esse processo ocorre constantemente no corpo humano, assegurando a oxigenação dos tecidos e a respiração celular nos diversos órgãos.

 

O mecanismo que permite a hematose é a difusão.

 

O que é difusão?

 

Difusão é a passagem de substâncias de uma área onde estão em maior concentração, para uma área em que estão em menor concentração e ela decorre da diferença de pressão entre os ambientes. No caso da difusão pulmonar, ela é consequência da diferença de pressão entre os gases da atmosfera (pressão atmosférica), do ar alveolar (pressão pulmonar) e dos capilares sanguíneos.

 

Quanto maior a concentração de um gás, maior a sua pressão. Assim, para gás carbônico e oxigênio se movimentarem para dentro e para fora dos pulmões, eles migrarão sempre do meio onde estão em maior concentração (maior pressão), para o meio de menor concentração (menor pressão). 

 

E como ocorre a difusão pulmonar?

 

A diferença entre a pressão atmosférica e a pressão alveolar nos faz inspirar e expirar. Inspiramos oxigênio porque sua pressão é maior na atmosfera do que dentro dos pulmões. E expiramos gás carbônico porque sua pressão é maior dentro dos pulmões do que na atmosfera.

 

[Acesse nosso post sobre inspiração e expiração na ventilação mecânica]

 

Já a diferença de pressão entre os alvéolos e os capilares sanguíneos, promove a difusão entre essas estruturas. Os alvéolos pulmonares são recobertos por uma grande rede de capilares, garantindo a proximidade entre o sangue e o ar que está no interior dos alvéolos e favorecendo a difusão.

 

O gás carbônico está mais concentrado no sangue dos capilares e menos nos alvéolos. Assim, ele se difunde para o ar alveolar, sendo expelido posteriormente pela expiração. Já o oxigênio, está mais concentrado nos alvéolos e menos nos capilares. Ele migra para os capilares, possibilitando sua entrada na corrente sanguínea. E é por meio da corrente sanguínea que esse oxigênio chegará aos tecidos e nutrirá os órgãos do corpo.

 

O que mais pode influenciar a hematose?

 

Entre os parâmetros que podem influenciar uma adequada hematose, estão:

 

- volume corrente de ar: ar que entra e sai dos pulmões a cada ciclo respiratório; 

 

- frequência respiratória: quantidade de respirações que realizamos em um minuto;

 

- volume residual: ar que permanece dentro dos pulmões mesmo após uma expiração forçada. Ele é importante para manter os alvéolos constantemente abertos.

 

Qualquer desvio significativo nesses parâmetros pode comprometer a hematose e a oxigenação do sangue. Por isso que, em casos de insuficiência respiratória, seja qual for sua motivação, recorre-se a ventiladores pulmonares mecânicos, para que eles possam suportar a respiração, enquanto o corpo do paciente não é capaz de fazê-lo. 

 

Neles, pode-se regular o volume corrente de ar e a frequência respiratória em níveis apropriados a cada quadro clínico, assegurando portanto a ocorrência da hematose, um processo indispensável à vida humana e ao adequado funcionamento do corpo.