Sequelas e Reabilitação Pós COVID-19

A Covid-19 é uma infecção causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, que foi declarada como pandemia em março de 2020 pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O vírus, descoberto inicialmente na cidade de Wuhan, província de Hubei, na China, em dezembro de 2019, apresentou um período de incubação que em humanos varia de 2 a 14 dias após o contato.


Conforme apresentado em diversos estudos ao longo desse período, as pessoas infectadas podem ter sintomas leves ou nenhum sintoma clínico, até quadros mais críticos, apresentando sintomas moderados e graves. O Ministério da Saúde lista a classificação dos casos de acordo com os sintomas e reações:


Casos assintomáticos: Teste laboratorial positivo para Covid-19 e ausência de sintomas.


Casos leves: Pessoas diagnosticadas com Covid-19 e com sintomas não específicos (tosse, dor de garganta, coriza, perda do olfato e paladar, diarreia, dor abdominal, febre, calafrios, mialgia, fadiga e cefaleia).


Casos moderados: Pacientes com teste positivo para COVID-19 e reações que vão de sintomas leves (tosse persistente, febre persistente diária) a sinais de progressão e piora de outros sintomas como: fraqueza, prostração, diminuição de apetite, diarreia e pneumonia.


Casos graves: Diagnosticados com Covid-19 e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SDRA), com sintomas de dispneia, desconforto respiratório ou pressão persistente no tórax, saturação de oxigênio abaixo de 95% em ar ambiente ou coloração azulada nos lábios e rosto.


Casos críticos: Pacientes com COVID-19 e sintomas e complicações que podem incluir SDRA, sepse, insuficiência respiratória grave, disfunção de múltiplos órgãos e pneumonia grave.


Cerca de 80 % dos indivíduos têm se recuperado sem necessidade de tratamento hospitalar, uma a cada seis pessoas infectadas ficam gravemente doentes e desenvolvem dificuldade para respirar. Neste caso, alguns pacientes podem apresentar um quadro infeccioso severo, necessitando de cuidados intensivos. A principal sequela nos pacientes que tiveram quadro clínico grave de COVID-19 é a fibrose pulmonar.


As complicações decorrentes do tempo de hospitalização prolongado em uma unidade de terapia intensiva, contribuem para perdas funcionais, aumento dos custos com saúde e redução da qualidade de vida e sobrevida pós-alta.


A imobilidade, proveniente da restrição ao leito, o uso prolongado de ventilação mecânica e de sedação, podem levar a um déficit de deglutição, disfunção severa do sistema musculoesquelético, cardiorrespiratório, gastrointestinal, cutâneo, urinário, resultando na perda de massa muscular e inervação; também podem apresentar alterações como : declínio cognitivo de longo prazo, deficiências de memória, atenção, velocidade de processamento e funcionamento, juntamente com perda neuronal difusa; encefalopatia aguda, alterações de humor, entre outras alterações.


Alguns desses sintomas parecem persistentes, mesmo em casos leves, e as consequências da infecção incluem fadiga, dispneia, taquicardia, perda muscular e redução da capacidade funcional. Ao longo do prazo, os sobreviventes da COVID-19 vêm apresentando anormalidades da função pulmonar, comprometimento psicológico e capacidade reduzida de exercício.


As intervenções fisioterapêuticas durante o período de internação e pós hospitalização são fundamentais para que o indivíduo retorne com suas atividades de vida diária o mais breve possível. Os exercícios devem ser individualizados e adaptados conforme as necessidades e limitações de cada pessoa.


Atualmente os exercícios domiciliares e a reabilitação a distância por vídeo, têm auxiliado bastante na recuperação dos pacientes, facilitando a adesão e evitando o deslocamento, permitindo maior conforto e segurança quanto aos riscos de reinfecção.


Estudos sugerem realizar exercícios aeróbicos, exercícios de força muscular, exercícios inspiratórios, neurofuncionais, após pelo menos 72 horas sem quadro de febre e sem uso de antitérmico, com estabilização da saturação de oxigênio, frequência respiratória e estabilidade clínica.


Portanto, sabemos que a COVID-19 pode gerar sequelas a curto, médio e longo prazo aos infectados. Estudiosos relatam os benefícios da reabilitação para esses indivíduos, e ficou claro que por se tratar de um vírus ainda não inteiramente compreendido e que continua em constante investigação, o acompanhamento e novos estudos são necessários para avaliar o melhor manejo clínico e ambulatorial a esses pacientes.





Bibliografia

Brasil. Ministério da Saúde. O que você precisa saber sobre o COVID-19. 2020. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca.

Ahmed H, Patel K, Greenwood DC, Halpin S, Lewthwaite P, Salawu A, Eyre L, Breen A, O'Connor R, Jones A, Sivan M. Long-term clinical outcomes in survivors of severe acute respiratory syndrome and Middle East respiratory syndrome coronavirus outbreaks after hospitalisation or ICU admission: A systematic review and meta-analysis. J Rehabil Med. 2020 May 31;52(5): jrm00063. doi: 10.2340/16501977-2694. PMID: 32449782.

Tozato C, Ferreira BFC, Dalavina JP, Molinari CV, Alves VLDS. Cardiopulmonary rehabilitation in post-COVID-19 patients: case series. Rev Bras Ter Intensiva. 2021 Jan-Mar;33(1):167-171. doi: 10.5935/0103-507X.20210018. PMID: 33886866; PMCID: PMC8075336.

Paulo FVS, Viana MCC, Braide ASG, Morais MCS, Malveira VMB. Mobilização precoce a prática do fisioterapeuta intensivista: intervenções e barreiras. Rev Pesqui Fisioter. 2021;11(2):298-306. http://dx.doi.org/10.17267/2238-2704rpf. v11i2.3586

Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde. Alerta Epidemiológico Complicações e sequelas da COVID-19. 12 de agosto de 2020, Washington, D.C.: PAHO/WHO; 2020

Macedo, I. da S. S, & Costa, F. K. C. (2021). Atuação do Fisioterapeuta e Abordagem de CONDUTAS no TRATAMENTO e Reabilitação das Sequelas do PACIENTE pós COVID-19. Revista Multidisciplinar Em Saúde, 2(4), 50. https://doi.org/10.51161/rems/2191

Santana, André Vinícius, Fontana, Andrea Daiane e Pitta, FabioPulmonary Rehabilitation after COVID-19. Jornal Brasileiro de Pneumologia [online]. 2021, v. 47, n. 01 [Acessado 8 Novembro 2021], e20210034. Disponível em: <https://doi.org/10.36416/1806-3756/e20210034>. Epub 24 Fev 2021. ISSN 1806-3756. https://doi.org/10.36416/1806-3756/e20210034.




33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo