Monitorização gráfica e sensores de fluxo nos ventiladores mecânicos modernos


Monitorização gráfica em ventilação mecânica.

Os ventiladores modernos ou também denominados como microprocessados, são dotados de recursos tecnológicos de última geração que permitem a monitorização gráfica durante a ventilação mecânica invasiva e não invasiva; é importante salientar que este é um recurso fundamental, para muitos, foi um divisor de águas no gerenciamento da ventilação mecânica nas salas operatórias e principalmente em terapia intensiva

terapia intensiva. Não é nossa intenção sermos redundantes, contudo, afirmamos novamente que nos dias de hoje, é impensável ventilar um paciente crítico sem este recurso.


Por que a monitorização do sistema respiratório é tão importante?

A correta interpretação dos dados de monitorização permite aos fisioterapeutas e médicos intensivistas dados referentes a mecânica pulmonar e principalmente, fornece aos profissionais envolvidos uma minuciosa análise dos volumes pulmonares e das pressões nas vias aéreas durante a ventilação. Com efeito, os atuais ventiladores mecânicos permitem um suporte ventilatório seguro, minimizando assim, os riscos de lesões pulmonares induzidas pelo uso inadequado do equipamento.


Como os ventiladores pulmonares conseguem monitorizar a mecânica pulmonar?

Este importante avanço que contemplou os equipamentos de ventilação, ocorreu graças ao aperfeiçoamento dos sensores de fluxo. Os sensores, são acessórios dos ventiladores pulmonares para a medição do fluxo expirado pelo paciente. Estes componentes podem ser instalados junto à válvula expiratória do ventilador, ou próximo a boca do paciente, na extremidade do circuito respiratório. Nos ventiladores pulmonares de UTI da Magnamed, como: Fleximag 15, Babymag, Fleximag Plus, e a linha Fleximag Max 300, 500 e 700, os sensores de fluxo podem ser de 2 tipos*:


Sensor de fluxo proximal

Este sensor é adaptável para atender pacientes neonatais, pediátricos e adultos, com um sensor específico para cada categoria de paciente. O sensor proximal recebe este nome devido ao fato de estar conectado junto à saída do intermediário “Y”, próximo a boca do paciente. O seu princípio de funcionamento é baseado na medição do diferencial de pressão entre dois pontos. Apesar de ser indicado para qualquer categoria de paciente, pode-se afirmar que é padrão ouro na monitorização de pacientes neonatais, inclusive os de extremo baixo peso.


Fonte: Arquivo pessoal


Sensor de fluxo distal

Este componente acessório é único para atender todos os tipos de pacientes. Além de sua versatilidade, os sensores de fluxo distais, podem ser externos ou ser instalados no interior do gabinete no ventilador, sempre acoplado à válvula expiratória.

Fonte: manual do usuário fleximag plus-Magnamed

Para melhor compreensão da monitorização gráfica, iremos descrever e exemplificar de maneira sucinta e didática as formas das curvas gráficas durante a monitorização, obviamente, graças ao uso do sensor de fluxo distal ou proximal:

Análise gráfica durante a ventilação mecânica

Curvas de fluxo

De acordo com Carvalho et al (2007), o fluxo inspiratório encerra-se conforme o modo de ciclagem estabelecido, ou seja, quando ocorrer, fecha-se a válvula inspiratória e abre-se a válvula expiratória do aparelho, começando então o fluxo expiratório. NO caso de ventilação espontânea, as características da curva de fluxo são exclusivamente determinadas pela demanda do paciente (gráficos.1 e 2) (CARVALHO ET AL 2007).


Fonte: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-37132007000800002

Curvas de pressão

A pressão é geralmente medida pelo ventilador diretamente, através de transdutor instalado próximo ao tubo endotraqueal ("Y" do circuito do ventilador) (CARVALHO ET AL 2007).Nos gráficos (2 e 3) o traçado de pressão nas vias aéreas começa e termina no nível zero. Entretanto, é possível utilizar uma pressão positiva ao final da expiração, quando, então, o traçado partirá e terminará em um nível de pressão acima de zero (CARVALHO ET AL 2007).


Fonte: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-37132007000800002


Curvas de volume

O gráfico (5) de volume representa, em sua porção ascendente, o volume pulmonar inspirado e, em sua curva descendente, o volume pulmonar total expirado (CARVALHO ET AL, 2007).


Fonte: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-37132007000800002


Notas finais.

A monitorização da mecânica pulmonar é essencial para o melhor controle da ventilação pulmonar, pois, permite que os profissionais da saúde acompanhem de maneira dinâmica a evolução clínica/pulmonar dos pacientes sob suporte ventilatório invasivo ou não invasivo. A monitorização por meio dos sensores de fluxo, otimiza o uso do ventilador, minimizando os riscos de lesões iatrogênicas e assincronias entre equipamento/paciente.

A Magnamed dispõe em seus ventiladores as melhores opções para monitorizar com segurança e confiabilidade, desde pacientes neonatais pré-termos de extremo baixo peso, até pacientes portadores de obesidade mórbida.

*Exceto Fleximag 15, com sensor de fluxo único e distal

Referências:

Carvalho, Carlos Roberto Ribeiro de, Toufen Junior, Carlos, & Franca, Suelene Aires. (2007). Ventilação mecânica: princípios, análise gráfica e modalidades ventilatórias. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 33(Suppl. 2), 54-70.




430 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo